segunda-feira, 14 de setembro de 2009

IRB movimenta cinema e música instrumental neste final de semana

O Instituto Ricardo Brennand está em festa durante todo o mês de setembro, para comemorar os seus sete anos, recém- completados no último sábado. Em pauta na programação sessão de cinema, apresentações teatral e musicais com o grupo Sonoris Fábrica e a Orquestra Sinfônica do Recife.

Nestes sete anos, o IRB tem muito o que comemorar. Localizado na Várzea, a 14 Km do centro do Recife, o complexo cultural se destaca por oferecer um serviço diferente e que é a menina dos olhos do industrial e idealizador do espaço Ricardo Brennand: a ação educativa. Quatorze arte-educadores e dezoito voluntários que integram este setor movimentam visitas monitoradas ao acervo para escolas públicas e privadas locais e de outros estados, de terça à sexta-feira e, nos finais de semana, atende o público espontâneo. “É maravilhoso podermos receber cerca de 250 estudantes por dia. Muitos destes alunos estão pisando pela primeira vez num museu e ficam encantados. É muito gratificante poder propiciar esta oportunidade as crianças, muitas delas, carentes”, diz orgulhoso o fundador do espaço Ricardo Brennand.

O IRB já se consolidou como o mais importante centro- cultural do Norte-Nordeste, ao atingir a marca de mais de um milhão e duzentos mil visitantes e figura entre os quatro museus mais freqüentados do Brasil. Com uma média anual em torno de 172 mil visitantes, o IRB se equipara, a importantes museus brasileiros como o MASP e o Museu de Arte Moderna de São Paulo, que recebem por ano, respectivamente, cerca de 230 mil e 210 mil e o Museu da Inconfidência de Ouro Preto, com público anual em torno de 100 mil.

Idealizado pelo empresário e colecionador, Ricardo Brennand, o complexo cultural reúne em 30 mil metros quadrados, do secular Engenho São João da Várzea, inúmeras obras de arte adquiridas durante mais de 60 anos de colecionismo e distribuídas em espaços como o Castelo São João, Pinacoteca, Biblioteca, Parque de Esculturas e Jardins. Recentemente, Ricardo Brenannd adquiriu um coreto indiano que está sendo instalado no lago, na entrada do complexo cultural. Oito novas estátuas em mármore, que representam as quatro estações, se juntaram a tantas outras esculturas e foram colocadas em frente à cafeteria do IRB.

Ao cruzar a Alameda Antônio Brennand, na Várzea, os visitantes se deparam, ainda no jardim do complexo cultural, com obras de artistas famosos como Fernando Botero, Sônia Eblig e Auguste Rodin, entre outros. Ao entrar na Pinacoteca, são recepcionados no foyer, por obras de arte sacra e esculturas neoclássicas e de arte decó, além de um piano do século XIX.

Na pinacoteca o grande destaque são as obras do pintor holandês Frans Post. Apesar de possuir 20 telas do holandês, atualmente, apenas 18 obras se encontram expostas e retratam todas as fases do artista (1612-1680). A coleção do IRB conserva hoje em nosso Estado, 10% de toda a produção conhecida de Post. Objetos e gravuras do Brasil Holandês (1630-1654), centenas de pinturas e gravuras retratando a paisagem brasileira dos séculos XVIII e XIX, mobiliário e belas esculturas como a do italiano Antônio Frilli, que retrata com perfeição mulher nua deitada em rede. Também podem ser conferidas no espaço expositivo. O local abriga ainda, em uma sala anexa, 48 esculturas em cera, que compõem o Julgamento de Nicolau Fouquet,  Superintendente de  Finanças ordinárias e extraordinárias do governo do rei Luís XIV, o rei Sol.

No Castelo São João, os visitantes conferem a maior coleção de armas brancas, no mundo, nas mãos de um colecionador particular. São mais de 3 mil peças entre armaduras, espadas, adagas, armaria, tapeçaria, quadros, objetos, entre outros, que representam históricos testemunhais das artes da guerra e caça, em seis séculos.

O complexo cultural possui uma biblioteca com mais de 50 mil títulos, entre documentos, livros, partituras, periódicos, discos, mapas e folhetos focados na História do Brasil Holandês, Arte, Arquitetura, Armaria Medieval e Literatura. Cerca de 70 % do acervo da biblioteca já está catalogado.

O acervo abriga cerca de mil partituras de autores nacionais e estrangeiros e apesar de ainda não está aberta ao público recebe, mediante agendamento, alunos, professores e pesquisadores nacionais e internacionais. Dentre as obras, podemos destacar as partituras do padre Jaime Cavalcanti Diniz, pernambucano de Água Preta,fundador, professor e coordenador do curso de música da Escola de Belas Artes da UFPE.

Com mais de 350 compositores identificados, o material traz pérolas de Nelson Ferreira e Capiba e partituras com marchas, valsa, fox-trot e frevo canção. A biblioteca disponibiliza também coleções especiais como: Brasiliana, Gilberto Freyre, Gileno de Carli, Rui Barbosa,Viajantes do Brasil, entre outras preciosidades. “ La Geografia”, de Cláudio Ptolomeu, datada de 1564, é o exemplar mais antigo do acervo. Escrito em italiano, o livro é ilustrado por mapas que retratam até animais.

Programação diversificada no aniversário de 7 anos
O Instituto Ricardo Brenannd comemora os seus 7 anos com ações diversificadas que iniciaram no último sábado, data do aniversário do IRB. A coordenadora geral do complexo cultural, Nara Galvão, empenhada na concepção do evento, orgulha-se da programação. “Este ano conseguimos um feito. Todos os segmentos da cultura serão contemplados no aniversário do IRB”, diz satisfeita.

No sábado, 19, a partir das 15h, a cafeteria do complexo cultural ganha um telão e vira cinema. No local será veiculado o vídeo “ De repente Califórnia”, do cantor e cineasta Lula Queiroga.

A música instrumental do Grupo Sonoris Fábrica invade o IRB, no domingo, dia 20, a partir das 16h. O grupo formado em 2002, se apresenta no palco montado nos jardins, em frente à cafeteria e conta com o violinista Sérgio Ferraz, os violonistas Leonardo Melo e Lucas de Almeida, o baterista Márcio Silva e o baixista Cláudio Negão. O repertório do grupo é eclético inspirado no jazz e nas músicas ibérica e brasileira de raiz e erudita.

O Sonoris, que já tem no currículo participações em três edições do Recife Jazz Festival, além de concertos especiais homenageando grandes personalidades da cultura pernambucana como Capiba e Mestre Salustiano, também se rende a musicalidade do flamenco, baião, frevo, maracatu e movimento armorial.

A 40ª edição do Projeto Peça a peça integra a programação de aniversário do Instituto Ricardo Brennand, no último sábado de setembro(26), a partir das 14h. A iniciativa que conta com palestra sobre Maurício de Nassau e oficina infantil de gravura, tem seu ponto alto na encenação da peça teatral “ Histórias de Além – Mar” , pelo Grupo de Teatro Munganga, a partir das 15h. O espetáculo infanto-juvenil vai retratar a vinda de Nassau a Pernambuco e as relações culturais existentes entre Brasil e Holanda nos séculos XVII e XXI.

A Orquestra Sinfônica do Recife encerra a programação de aniversário do IRB, em grande estilo, no domingo, 7, a partir das 17h. Sob a batuta do maestro Osman Gioia, cerca de 70 músicos se apresentam no toldo localizado na área externa do complexo cultural. No repertório pérolas da música erudita como a Ária das Bachianas nº 4, homenageando os 50 anos de morte de Villa Lobos, o 4º movimento da Sinfonia Italiana de Mendelssohn comemorando seus 200 anos de nascimento e a suíte Beatles registrando os 40 anos de Woodstock. Cena e valsa do Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky além do arranjo inédito de Nelson Ayres para a composição de Edu Lobo e Chico Buarque, Valsa Brasileira, também integram o repertório da Orquestra. A apresentação tem tudo para ser memorável.

Serviço
Aniversário de 7 anos do Instituto Ricardo Brennand
Instituto Ricardo Brennand
Engenho São João, s/n, Várzea
Alameda Antônio Brennand
De 12 a 27 de setembro
R$ 5,00 (inteira) e R$ 2,00( meia). Crianças até 7 anos não pagam
Informações: (81) 2121.0365/2121.0352